Texto Bíblico: ATOS DOS APÓSTOLOS 20. 7-12

Introdução: O SONO!

Hoje, quero aproveitar este momento de culto ao nosso Deus para falar de um assunto pouco abordado nos sermões que são pregados em nossas igrejas. O assunto é: o “sono”. É isto mesmo! Quero falar com vocês sobre o sono!
Pesquisando na Internet sobre esse assunto, encontrei diversas “páginas” que falam sobre o sono. Encontrei, por exemplo, “páginas” do Instituto do Sono, da Sociedade Brasileira do Sono, de sociedades internacionais do sono, de clínicas que tratam dos distúrbios do sono, entre outras.
Afinal de contas, o que é o sono? Uma dessas “páginas” diz o seguinte: “O sono representa um estado comportamental reversível de desligamento da percepção do ambiente e com modificação do nível de consciência e da responsividade a estímulos internos e externos.” E para que serve o sono? “Várias funções são atribuídas ao sono. A hipótese mais simples é a de que o sono se destina à recuperação pelo organismo de um possível débito energético estabelecido durante a vigília.” (www.sono.org.br) Isto é, o sono existe para que recarreguemos as forças para o dia seguinte.
Na Mitologia Grega, o sono tem status de divindade. Filho de Nix, deusa da noite, Hipno é o deus do sono e, juntamente com Morfeu, seu filho (que é o deus dos sonhos), Hipno é o responsável pelo descanso dos seres humanos. Quando o deus Hipno falha na sua tarefa de fazer repousar e descansar a humanidade, o resultado são distúrbios de graves conseqüências. Pessoas que sofrem de insônia ou que dormem mal estão mais sujeitas a acidentes de trânsito, acidentes de trabalho, têm menos resistência a doenças e, como se não bastasse tudo isso, envelhecem mais cedo. Ou seja, Hipno, o sono, é fundamental para o bem estar dos seres humanos.
Todavia, há aqui uma curiosidade. A mitologia diz que Hipno, o deus do sono, é irmão gêmeo de Tânato, a divindade da morte. Parece um contra-senso, mas é assim: Hipno, o sono, tão essencial à vida, é irmão gêmeo de Tânato, a morte. O sono, segundo a mitologia grega, está intimamente relacionado à vida e à morte.
Pois bem! Os irmãos e as irmãs devem estar se perguntando: mas para que toda essa conversa sobre o sono? Vamos à Bíblia agora!

1ª Parte: UM JOVEM... COM SONO!

Olhemos para o texto que lemos no livro dos Atos dos Apóstolos. Ali, iremos encontrar um jovem... com sono!
São famosas as “viagens missionárias” realizadas pelo apóstolo Paulo. Nesse texto do capítulo 20, Paulo encontra-se em sua terceira viagem missionária. O ponto de partida dessa terceira viagem é Antioquia. Dali, ele percorre a Galácia e a Frígia. Segue direto até Éfeso, onde permanece por três anos. Expulso de Éfeso, Paulo segue para a Macedônia. Desce para Corinto, na Grécia, onde fica por alguns meses. Da Acaia retorna para a Macedônia, chegando a Trôade.
Em Trôade, Paulo participa de uma reunião com os cristãos daquela região. Versículo 7º: “No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo, que devia seguir viagem no dia imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite.” Eis a reunião. Não é uma reunião qualquer. É uma reunião que ocorre em um dia especial: o primeiro da semana, ou seja, o domingo. É uma reunião com uma finalidade específica: partir o pão, ou seja, trata-se de uma reunião eucarística. É uma reunião que conta com um visitante ilustre: Paulo seguiria viagem no dia seguinte, ou seja, era preciso aproveitar até o último minuto a valiosa presença do apóstolo.
Naquela reunião eucarística, que também era um culto de pregação e ensino, Paulo devia ter muito a dizer à igreja, pois “prolongou o discurso até à meia-noite”. E foi aí que algo inusitado aconteceu; uma cena digna da coluna “Casos Pitorescos” de nosso jornal “O Estandarte”! Versículo 9º: “Um jovem, chamado Êutico, que estava sentado numa janela, adormecendo profundamente durante o prolongado discurso de Paulo, vencido pelo sono, caiu do terceiro andar abaixo e foi levantado morto.” O protagonista da lamentável e até ridícula cena é um jovem (talvez, um adolescente). Podemos até imaginar a displicência desse jovem. Lá estava ele, sentado na janela, em uma casa que tinha três andares. Diz o texto que Êutico “adormeceu profundamente”, foi “vencido pelo sono”.
Bem, os irmãos e as irmãs poderão sair em defesa de Êutico dizendo que Paulo discursou demais; não precisava ter falado tanto, até a meia-noite. Pode ser! Mas, o fato é que Êutico dormiu na hora errada e no lugar errado. Foi “vencido pelo sono” durante um culto, durante uma pregação de Paulo. Dormiu sentado na janela de uma casa que tinha três andares. O resultado é óbvio: devido à queda, o jovem Êutico, que devia estar morrendo de sono, literalmente, morreu de sono! Segundo o texto, caiu e “foi levantado morto”!

2ª Parte: O SONO E A MORTE

Dissemos, há pouco, que na Mitologia Grega, o sono, o deus Hipno, é irmão gêmeo de Tânato, a morte. Sono e morte guardam alguma relação. Isto aparece também na Bíblia.
O período do sono é período em que as trevas caem sobre os seres humanos. Nas Escrituras Sagradas, em muitos momentos o sono aparece relacionado às trevas, ao pecado, à fuga, ao fracasso e à morte. Podemos citar aqui, rapidamente, alguns exemplos:
? Sansão, homem escolhido por Deus, nazireu que habitou no tempo dos juízes em Israel, é seduzido e traído pela mulher a quem amava. Dalila insiste para que Sansão revele o segredo de sua força. Após muita insistência, ele revela a verdade: “Então, Dalila fez dormir Sansão nos joelhos dela e, tendo chamado um homem, mandou raspar-lhe as sete tranças da cabeça; passou ela a subjugá-lo; e retirou-se dele a sua força.” (Juízes 16, 19)
? Outro exemplo é o de Jonas. Profeta escolhido por Deus para pregar em Nínive, Jonas recusou-se a levar a Palavra do Senhor para que os ninivitas, inimigos dos judeus, chegassem ao arrependimento e à salvação. Orientado a tomar o barco na direção daquela cidade, o profeta resolveu fugir de sua missão. Pegou a embarcação no sentido contrário, rumo à cidade de Társis. No meio da viagem, Deus enviou uma grande tempestade que quase despedaçou o navio. O pânico era geral. Os marinheiros, desesperados, clamavam cada um ao seu deus. Enquanto isso, Jonas dormia profundamente no porão do navio. “Chegou-se a ele o mestre do navio e lhe disse: Que se passa contigo? Agarrado no sono? Levanta-te, invoca o teu deus; talvez, assim, esse deus se lembre de nós, para que não pereçamos.” (Jonas 1, 6)
? Um terceiro exemplo, ao qual podemos recorrer é o dos discípulos de Jesus no Jardim do Getsêmani. Estão presentes Pedro, Tiago e João, o círculo mais íntimo dos discípulos do Mestre. O momento é de grande agonia. Jesus pressente a chegada da hora mais difícil. Ele estava prestes a ser preso. Diz o Mestre: “A minha alma está profundamente triste até à morte; ficai aqui e vigiai.” (Marcos 14, 34). Por três vezes o Senhor Jesus orienta os seus discípulos a vigiarem e a orarem e, por três vezes, os encontra dormindo, por que “os seus olhos estavam pesados” de sono. E Jesus os repreende: “Ainda dormis e repousais! Basta!” (Marcos 14, 41)
Agora, meus irmãos e minhas irmãs, quem dorme é o jovem Êutico. O seu sono é um sono fora de hora e fora de lugar. O sono de Êutico é o sono de Sansão. O sono de Êutico é o sono de Jonas. O sono de Êutico é o sono de Pedro, Tiago e João. O sono de Êutico é o sono que leva à morte.

3ª Parte: O SONO E A VIDA

Porém, se é verdade que existe, na Bíblia, uma relação entre o sono e a morte, é também verdade que o sono é fundamental à vida. Os seres humanos precisam do sono para viverem bem. O sono não é em si mesmo o mal. O sono é elemento necessário à saúde, é fonte de vida, é o repouso que regenera as forças. O sono é o momento do abandono de si mesmo. Só dorme tranqüilo quem se entrega confiantemente ao sono.
Nas Sagradas Escrituras, o sono também é a metáfora da vida, do repouso, do descanso, da confiança e da presença de Deus. Vejamos alguns exemplos bíblicos:
? Adão, o primeiro homem, é um solitário. Sente-se incompleto. E Deus percebe isso. A Bíblia relata: “Então, o Senhor Deus fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu; tomou uma das suas costelas e fechou o lugar com carne. E a costela que o Senhor Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lha trouxe.” (Gênesis 2, 21-22) O resultado do sono do homem é o nascimento da mulher e a alegria de ambos.
? Há também o episódio em que Jacó, o patriarca, filho de Isaque e neto de Abraão, fugia desesperadamente. Ele havia enganado seu irmão Esaú, que agora o ameaçava de morte. Partindo de Berseba para Harã, Jacó chega a um lugar de pedras. Já era noite. Toma uma das pedras por travesseiro e dorme. E sonha, sonha com Deus. Na Bíblia, o sono, ou o sonho, muitas vezes, é o tempo da visita e da revelação de Deus. Diz o texto: “Despertado Jacó do seu sono, disse: Na verdade, o Senhor está neste lugar, e eu o não sabia.” (Gênesis 28, 16) Após o sono, Jacó tem a consciência da companhia de Deus.
? Jesus também dorme. Como o profeta Jonas, ele dorme em plena tempestade no meio do mar. A embarcação é castigada pelo temporal e pelos ventos. Os discípulos, à semelhança daquele capitão que foi acordar Jonas, também vão despertar a Jesus: “Mestre, não te importa que pereçamos? E ele, despertando, repreendeu o vento e disse ao mar: Acalma-te, emudece! O vento se aquietou, e fez-se grande bonança. Então, lhes disse: Porque sois assim tímidos?! Como é que não tendes fé?” (Marcos 4, 38-40) O sono de Jesus é diferente do sono de Jonas. É o sono da confiança plena em Deus.
? Na Bíblia Sagrada, aprendemos que podemos dormir tranqüilos, porque o nosso Deus vigia enquanto estamos entregues ao sono. Como diz o salmista: “Não dormitará aquele que te guarda. É certo que não dormita, nem dorme o guarda de Israel.” (Salmo 121, 3-4) É isto também o que aprendemos com a “parábola da semente”, ensinada por Jesus: “O reino de Deus é assim como se um homem lançasse a semente à terra; depois, dormisse e se levantasse, de noite e de dia, e a semente germinasse e crescesse, não sabendo ele como.” (Marcos 4, 26-27) Depois de lançar a semente, o semeador pode dormir tranqüilo. O resto do trabalho é com Deus!
Vemos, portanto, que o sono não guarda relação somente com a morte, mas também com a vida. O sono de Adão, o sono de Jacó, o sono de Jesus, o sono do semeador, é o sono que leva à vida, é o sono da revelação de Deus, é o sono da confiança em Deus, é o sono do repouso e do descanso de quem lançou a semente na terra e confia todos os resultados à poderosa mão de Deus.
Conclusão: DESPERTANDO DO SONO DE ÊUTICO!

Meus irmãos e minhas irmãs, meus caros jovens, que nesta noite celebram o aniversário do Umpismo: existem sonos e sonos! Há sonos de vida e há sonos de morte!
Nesta noite, o sono de Êutico é para nós um símbolo. É o símbolo do jovem cristão que dorme. Dorme profundamente! Dorme na hora errada! Dorme no lugar errado! O resultado deste sono nós já sabemos qual é: é a morte; é cair do terceiro andar e ser levantado morto!
Nesta noite, o sono de Êutico é para nós um símbolo. Temos ouvido, neste culto, o histórico do Umpismo. O Umpismo nasceu vibrante em nossa Igreja. Mas em um determinado momento histórico os jovens adormeceram; adormeceram o sono de Êutico; adormeceram o sono da morte. E parece que ainda hoje a maioria não despertou desse sono profundo! É o sono do desinteresse! É o sono do descompromisso! É o sono das músicas e dos louvores alienantes! É o sono da vaidade dentro da igreja! É o sono do individualismo! É o sono do consumismo! É o sono dos modismos! É o sono daqueles que não querem pensar! É o sono daqueles que não querem aprender! É o sono dos desanimados! É o sono dos que não querem trabalhar na igreja ou para a igreja!
Nesta noite, o sono de Êutico é para nós um símbolo. Símbolo de uma juventude amortecida! Símbolo de uma juventude que dorme, mas não sonha! Símbolo de uma juventude que não incomoda! Símbolo de uma juventude que não transforma! Símbolo de uma juventude que não revoluciona! Símbolo de uma juventude que não subverte! Símbolo de uma juventude que não deixa a sua marca! Símbolo de uma juventude que envelhece!
Entretanto, é preciso esperança! A história do jovem Êutico não termina com o seu sono ou com a sua morte: “Descendo, porém, Paulo inclinou-se sobre ele e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, que a vida nele está. (...) Então, conduziram vivo o rapaz e sentiram-se grandemente confortados.” (Atos 20, 10 e 12)
“A vida nele está”, são as palavras de Paulo. A história do jovem Êutico termina com ressurreição! O culto desta noite, as atividades dos adolescentes e jovens em nosso Presbitério neste ano, quero crer, são os sinais de que Êutico está despertando de seu sono! Que assim seja!
Que Deus abençoe o Umpismo! Que Deus abençoe os nossos adolescentes e jovens! Que Deus abençoe a todos aqueles que ouvem a sua voz que diz: “Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará.” (Efésios 5, 14) Ou como diz o hino oficial do Umpismo: “Mocidade, sempre avante (...) Levanta, resplandece”!
Amém.

Sermão pregado no dia 25/09/2004, às 19h30,
no Culto do Umpismo, na IPI de Vila Talarico,
promovido pelos jovens do Presbitério Santana.